domingo, 17 de setembro de 2017

AD Mossoró faz parceria com a Missão Cabo Verde na África.



Missionário Edinaldo Johnson está na 2ª temporada missionária na África.

(Texto  abaixo foi extraído do Blog do Cleiton Albino)

A Assembléia de Deus em Mossoró, na pessoa do seu presidente, Pastor Francisco Miranda, aceitou o desafio de fazer missões em mais uma nação do continente africano. Trata-se do país de Cabo Verde, que é formado por dez ilhas situadas no Atlântico Central, à 500 Km da costa do Senegal.
A nova ação missionaria da Assembleia de Deus em Mossoró é fruto de uma parceria junto ao Pastor Edinaldo Domingos, líder da Igreja Assembleia de Deus na cidade de Paraú, que recentemente despediu o jovem Edinaldo Johnson Domingos para a segunda temporada de missões na África, objetivando dar continuidade ao projeto de evangelização desenvolvido por ele na área da música com as crianças carentes, e também com jovens e adolescentes cabo-verdianos.
A consolidação desta aliança missionária, aconteceu no culto de encerramento da XV Conferência de Missões da IEADEM, no último dia 02 de Setembro. Na ocasião o Pastor Miranda, festivamente anunciou a parceria para a igreja, dizendo: “A partir de agora a Assembleia de Deus em Mossoró também está em Cabo Verde na África”. O líder assembleiano disse mais: “Através desta parceria, nós passamos a amar o país de Cabo Verde, de igual modo que amamos a Gambia, a Espanha, o Uruguai, o Paraguai e a Venezuela”.
Para celebrar este importante ato, o pastor Edinaldo Domingos homenageou ao Pastor Francisco Miranda, entregando lhe solenemente a Faixa e a Bandeira de Cabo Verde, que é a nação alvo da parceria firmada com a IEADEM.
O Pastor Edinaldo falando a nossa redação, disse: “Estou muito agradecido à igreja em Mossoró e ao Pastor Miranda. Agradeço a Deus pela a vida do nosso líder da AD mossoroense, por ter um sentimento e uma visão missionária tão forte, que mesmo em tempo de constantes dificuldades econômicas, concordou em estabelecer a parceria conosco”.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

ADPARAÚ ORANDO PELA NAÇÃO BRASILEIRA



No Círculo de Oração da ADPARAÚ, o Pastor Edinaldo Domingos, confiando na palavra de Deus que diz: " se o meu povo que se chama pelo o meu nome, se humilhar e se arrepender  dos seus maus caminhos... eu ouvirei dos céus " levantou um CLAMOR a Deus pela nação Brasileira.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Fotos da despedida do Missionário JOHNSON DOMINGOS para Cabo Verde-Africa.



                           Mocidade da ADPARAÚ  realizou homenagem de despedida para o missionário.

Jonhson Domingos  falando sobre sua viagem.

Pr. Domingos com o filho Jonhson Domingos. 

Irmã Tânia Brito participando da despedida do Missionário Johnson.

O secretário  de  missões  Vaniere Silva entregando livro ao missionário  Jonhson. 


Equipe de coordenação  do projeto AMIGOS DA AFRICA

sábado, 5 de agosto de 2017

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Lição 06 - A PECAMINOSIDADE HUMANA E A SUA RESTAURAÇÃO A DEUS




Texto Áureo: Jo. Rm. 3.23 – Texto Bíblico Básico: Rm. 5.12-21

BARBOSA, J. R. A.


INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos a respeito da pecaminosidade humana, a esse respeito, como bem destacou Chesterton, se há uma doutrina bíblica que pode ser comprovada essa é a do pecado. Inicialmente apresentaremos a origem do pecado, em seguida, sua natureza, e por fim, suas consequências. Destacaremos também que Deus preparou um plano para a restauração da humanidade, e que esse se concretizou em Cristo, através do Seu sacrifício expiatório na cruz do calvário.

1. A ORIGEM DO PECADO
O pecado originou-se na livre escolha das criaturas de Deus (Ap. 12.9), tanto de Satanás, a antiga serpente, quando por Adão e Eva (Gn. 3). Depois da queda de Adão e Eva, os homens tornaram-se pecadores por natureza e vivem num mundo em que forças poderosas os induzem a pecar. Antes de qualquer coisa, é preciso ressaltar que o pecado do homem não tem sua origem em Deus (Tg. 1.13-14). O pecado é, antes de tudo, resultante da escolha da pessoa que o comete (Gn. 3.4,5). Depois da queda de Adão, existe, no ser humano, uma natureza, que Paulo denomina de carnal (Rm. 7.18; Gl. 5.16-24) que se opõe ao espírito. Essa natureza é a vida egocêntrica, a negação ou a rejeição de Deus, é portanto, uma inclinação, uma tendência, uma predisposição para o pecado e para deixar de fazer a vontade de Deus.

2. A NATUREZA DO PECADO
No Antigo Testamento, o pecado significa: 1) errar o alvo (Gn. 4.7), isto é, ser achado em falta diante de Deus; 2) egoísmo que leva os homens a oprimirem seus semelhantes (Gn. 6.11; Ez. 7.23; Pv. 16.29); 3) transgressão contra a Lei da Santidade (Sl. 37+38; 51.13; Is. 53.12). No Novo Testamento, o pecado é: 1) uma dívida (Mt. 6.12) a qual o homem é incapaz de pagar por si mesmo; 2) iniquidade, que literalmente, é desordem (I Jo. 3.4); 3) desobediência (Hb. 2.2; Lc. 8.18); 4) transgressão, ou ir além do limite estabelecido por Deus (Rm. 4.15); 5) queda no padrão de conduta (Ef. 1.7); 6) impiedade, que se concretiza no descaso a Deus e às coisas sagradas (Rm. 1.18; II Tm. 2.16) e 7) erro – pecados cometidos por ignorância (Hb. 9.7).

3. AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO
Como consequência, o pecado leva o homem a fragilidade espiritual, na medida em que: 1) acontece uma desfiguração da imagem divina (Gn. 9.6; Tg. 3.9); 2) a transmissão da natureza pecaminosa aos descendentes (Sl. 51.5); 3) discórdia interna – disputa interior que leva o homem à fragmentação do eu (Rm. 7.24); 4) a morte física e espiritual (Gn. 2.17; Rm. 3.23; 6.23). Conforme o relato de Gn. 3, o pecado trouxe conseqüências: 1) para a serpente (Gn. 3.14), 2) sobre Satanás (Gn. 3.15);  3) sobre Eva e as mulheres (Gn. 3.16); 4) sobre Adão e os homens (Gn. 3.17-19); 5) sobre toda a humanidade (Gn. 3.20-24).

4. O PECADO NA VIDA DO CRENTE
O crente não está isento de pecar (I Jo. 1.8-10), contudo, seu padrão de vida deve ser andar na luz (I Jo. 1.7). Para que isso aconteça, precisa meditar na Palavra de Deus (Sl. 119.11). Ao viver em pecado, o cristão: 1) perde a comunhão com Deus (I Jo. 1.6); 2) é excluído da comunhão com os irmãos da igreja local (I Co. 5.4-5); 3) recebe a disciplina de Deus (Hb. 12.6) e, em alguns casos, 4) a morte física (I Co. 11.30). É preciso portanto, que o crente dê lugar ao arrependimento, confesse o seu pecado a Deus, e o abandone (I Jo. 1.9).

5. A RESTAURAÇÃO DA HUMANIDADE
O pecado é universal, Paulo é enfático ao declarar que todos pecaram (Rm. 3.23), mas nem tudo está perdido, pois Deus preparou um plano para restaurar a humanidade. O mesmo Paulo assegura que o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Jesus Cristo (Rm. 6.23). Essa é uma demonstração da graça de Deus, pois Ele prova seu amor Seu amor para conosco pelo fato de Cristo ter morrido por nós, sendo nós ainda pecadores, e indignos desse favor (Rm. 5.8). Em Jo. 3.16, nos deparamos com a Bíblia em miniatura, que expressa o plano salvífico de Deus, ao declarar que Deus amou o mundo de tal maneira que Deus Seu Filho Unigênito para todo aquele que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna.

CONCLUSÃO
O homem foi criado como um ser bom e reto, como depreendemos da declaração de Gn. 1.26-31, contudo, por transgressão voluntária, o homem caiu, incorrendo não somente na morte física, mas também na morte espiritual, isto é, na separação de Deus (Gn. 1.26,27; 2.17; Rm. 5.12-19). Apesar de tudo, podemos ter a certeza que a provisão do Senhor em Jesus Cristo é suficiente para salvar a todos que nEle confiam, pois Ele, como bem expressou João Batista, é o “cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo. 1.29).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.

SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Subsídio Escola Dominical - Lição 05 / CPAD / A IDENTIDADE DO ESPÍRITO SANTO.





Texto Áureo: Jo. 14.6 – Texto Bíblico Básico: Jo. 1.1-14


INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos a respeito da identidade do Espírito Santo, inicialmente destacaremos a identidade do Espírito Santo, enfatizando seus símbolos, e sua atuação na experiência humana. Ao final, abordaremos um dos temas mais controvertidos em relação a essa doutrina, o pecado contra o Espírito Santo. Nesse contexto, é importante defender que o Espírito Santo não é apenas uma força ativa, ou mesmo uma energia, mas uma pessoa que faz parte da Trindade.  

1. A IDENTIDADE DO ESPÍRITO SANTO
O Espírito Santo tem nomes divinos, atributos divinos lhe são aplicados, Ele é eterno, onipresente, onipotente e onisciente (Hb. 9.14; Sl. 139.7-10; Lc. 1.35; I Co. 2.10,11), obras divinas lhe são atribuídas tais como criação, regeneração e ressurreição (Gn. 1.2; Jó. 33.4; Jo. 3.5-8; Rm. 8.11). Há quem defenda que o Espírito Santo não passa de uma força ou influência, algo contrário à revelação das Escrituras, onde vemos que Ele tem personalidade: pensa (Rm. 8.27); tem vontade (I Co. 12.11), sentimento (Ef. 4.30); revela (II Pe. 1.21); ensina (Jo. 14.26); clama (Gl. 4.6); intercede (Rm. 8.26); fala (Ap. 2.7); ordena (At. 16.6,7); testifica (Jo. 15.26), entristece (Ef. 4.30), contra ele se pode mentir (At. 5.3) e blasfemar (Mt. 12.31,32). Além de Espírito Santo, Ele é chamado de Espírito de Cristo (Rm. 8.9), Consolador (Jo. 14.6), Espírito da Promessa (Ez. 36.7; Jl. 2.28), Espírito da graça (Hb. 10.29; Zc. 12.10), Espírito de vida (Rm. 8.2; Ap. 11.11) e Espírito de adoção (Rm. 8.15).

2. OS SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO E A EXPERIÊNCIA HUMANA
Ao longo da Bíblia, o Espírito Santo nos é apresentado por meio de símbolos. Um símbolo, de acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, “aquilo que, por um princípio de analogia formal ou de outra natureza, substitui ou sugere algo”. Os símbolos bíblicos que apontam para o Espírito Santo, são: fogo (Is. 4.4; Jr. 20.29); vento (Ez. 37.7-10; Jo. 3.8; At. 2.2); água (Ex. 17.6; Ez. 36.25-27; 47.1; Jo. 3.5; 4.14; 7.38, 39); selo (Ef. 1.13; II Tm. 2.19); pomba (Mt. 3.16). É o Espírito Santo convence o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo. 16.7-11), afinal, a regeneração é um ato do Espírito (Jo. 3.3; I Co. 6.17-19; Rm. 8+9), o qual passa a habitar no crente após sua conversão (Jo. 14.17; Rm. 8.9; I Cr. 6.19; II Tm. 1.14; I Jo. 2.27; Cl. 1.27; I Jo. 3.24; Ap. 3.20). A atuação do Espírito efetua a obra da santificação, já que aqueles que nasceram da Palavra de Deus (I Pe. 1.23) devem desejar o crescimento (I Pe. 2.2), quando, com o crente, é produzido o Fruto do Espírito (Gl. 5.22). O Espírito Santo também nos reveste de poder para sermos testemunhas de Cristo (At. 1.8; 2.1-4).

3. PECADOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO
Como o Espírito Santo tem personalidade, podemos pecar contra Ele. Os pecados que nos são apresentados na Bíblia são os seguintes: resistência (At. 7.51) – quando as pessoas se dispõem a dar ouvidos à Palavra de Deus; agravo (Hb. 10.29) – quando alguém que creu no evangelho vem a se distanciar, apostatando; entristecimento (Ef. 4.30,31); - efetivado pelo crente quando dar lugar ao pecado ao invés do Espírito; a mentira (At. 5.3) – quando alguém, dominado por Satanás, tenta enganar Espírito; a extinção (I Ts. 5.19) – quando o crente abafa a manifestação do Espírito Santo para a edificação do corpo de Cristo; e a blasfêmia (Mt. 12.31) – que é a negação continua da operação de Deus por intermédio de Cristo. É comum as pessoas ficarem preocupadas se pecaram contra o Espírito Santo, quando isso acontece é uma demonstração de que esse pecado não aconteceu. Isso porque o pecado contra o Espírito Santo é uma negação obstinada da sua atuação, que impede o pecado de arrepender-se, e de se voltar para o Pai, através do Filho, Jesus Cristo.

CONCLUSÃO
O Espírito Santo não é uma mera força, mas uma pessoa divina, cujos atributos de eternidade, onipotência, onipresença e onisciência mostram ser, Ele, a terceira Pessoa da Trindade. A Bíblia está repleta de símbolos que apontam para a manifestação do Espírito Santo na experiência humana, no convencimento, na regeneração, na santificação e na ministração no corpo de Cristo. Devemos ter o cuidado de não pecarmos contra o Santo Espírito, decaindo da graça, e entrando pelo caminho da apostasia, para que isso não venha a acontecer, o segredo é, sempre, andar no Espírito (Gl. 5.22).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

EMITES realizará mais um Culto de Envio.


A  EMITES, que está acontecendo na cidade de Caicó-RN, realizará o Culto de Envio das equipes Missionárias, que serão enviadas as cidades e comunidades rurais da região do Seridó, para anunciarem a Cristo!
O Culto acontecerá nas dependências da Escola Severino Brito, no dia 25/07 às 18:30hs 




Blog Não é da Conta de Ninguém.
Pastor Edinaldo Domingos